quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Vai chover. Vai tu!

A net põe poderosos recursos ao nosso alcance mas por vezes não sabemos que eles existem ou nem sequer nos lembramos de os usar.

Este artigo não é para vos ajudar a ficar em casa com medo do tempo, mas sim para vos ajudar a planear as vossas saídas e irem preparados para o que aí vem. 

Há inúmeros recursos que nos dão informações do tempo: sites, widgets, mails de Instituto de Meteorologia, etc. etc. e cada um vai usando os que mais gosta. Uns é o weather.com, outros o accuweather.com outros o meteo.pt, alguns juram que o wunderground.com nunca falha, outro só usam o windguru.cz. Podem continuar a usar o que quiserem. Espero que este artigo desperte o meteorologista que está adormecido dentro de vocês e que consigam passar a prever o que vai acontecer nas próximas horas.

Previsões versus Observações

Qualquer previsão com mais de 3 dias é apenas uma tendência e tem um grau de erro relativamente elevado, principalmente quando a coisa está instável. Isto para fenómenos mais extremos. Porque se a previsão for assim assim, a probabilidade é que esteja mesmo assim assim daqui a uma semana. As previsões são efectuadas com recurso a modelos matemáticos extremamente complexos, que entram em conta com inúmeros factores e que demoram várias horas a correr em poderosos computadores. São estas previsões que estão por detrás dos sites e dos sóis e nuvens que estão dentro dos nossos telefones, principalmente para os dias seguintes. Uma previsão é útil para sabermos o que vai acontecer amanhã ou depois, mas obviamente pode falhar, e muito. As previsões têm uma hora de produção e ficam fora de prazo relativamente rápido. Principalmente se a realidade começar a divergir do que a previsão previa. 

clique para abrir uma nova janela com o site
O site mais interessante, simples e intuitivo para ver a previsão de chuva para os próximos dias é o eltiempo.es. Ao deslocar o rato pela escala de tempo vertical terá uma bela animação do que vai acontecer nos próximos 3 dias. Trata-se de uma previsão. Não quer dizer que vá mesmo acontecer assim. A precisão é actualizada de manhã e à noite e a hora da previsão está por baixo da imagem. Logicamente quanto mais perto da hora da previsão maior a probabilidade de a previsão estar correcta. Este site é excelente para se ver a tendência dos dias seguintes. A resolução da escala temporal são 3h, o que, dado o tipo de previsão é mais do que suficiente. Normalmente é aqui que venho espreitar o que lá vem nos próximos dias. A animação dá para perceber o tipo de sistema frontal que se dirige para cá, se vem de Norte ou de Sul, se está a formar-se ou a desvanecer. Ficamos com a big picture da coisa. 


clique para abrir uma nova janela com o site
Para um detalhe maior quanto a temperaturas, vento, e principalmente o pormenor em cada cidade do país, não há como a prata da casa. Quem vai saber mais sobre o tempo no nosso rectângulo do que o Instituto de Meteorologia? Ninguem, obviamente. O Instituto de Meteorologia, ao contrário dos sites internacionais, tem meteorologistas dedicados apenas ao tempo que vai fazer no nosso país. E à data de hoje este Instituto faz falta e ainda não foi vendido a ninguém. A página da previsão a 10 dias é um bom resumo. Nos 3 primeiros dias a previsão é de um meteorologista e nos restantes dias de modelos numéricos, calculada apenas por computador. Podem escolher a vossa cidade. 


clique para abrir uma nova janela com o site
Já sabemos as previsões mas podemos saber mais. Se queremos ter uma ideia das próximas horas ou mesmo do que vai acontecer na próxima hora os sites seguintes são essenciais. Eles mostram o que está a acontecer em tempo quase real. Em primeiro lugar o sat24.com. Neste site podem ver as imagens de satélite das ultimas 2 h, com intervalos de de 15 minutos. Deixem carregar todas as imagens. Depois o site repete em loop essas imagens. Podem acelerar o slideshow. Podem escolher outra vista, nomeadamente Espanha e Portugal para um zoom no nosso país. É importante que as imagens escolhidas sejam as de infra-vermelhos. Primeiro porque se fôr à noite com as imagens normais não vêem nada. É de noite, Ok! Por outrlo lado as imagens de infra-vermelhos mostram as nuvens mais densas. As que vêm carregadinhas dela. Atenção que a hora das imagens é a da UE. Tem 1h a mais que a nossa. Não pensem que as imagens são do futuro. As imagens têm uma frequência de 15 minutos e ficam disponíveis poucos minutos depois da hora indicada. Com a animação a correr (podem acelerar ate 4X) dá para ter uma boa noção da realidade sobre as nossas cabeças. Com o tempo começam a conhecer as nuvens pestes e as boazinhas.


clique para abrir uma nova janela com o site
Mas ter nuvens no céu não é obrigatoriamente sinal de chuva. Até podem vir carregadas mas será que vão despejar sobre nós? Ou têm encontro marcado mais à frente? Para responder a esta ultima questão vamos ter de nos socorrer da ultima ferramenta. O radar doppler. Este radar permite saber imensa informação acerca da precipitação a longa distância. Voltamos então ao site do Instituto de Meteorologia que nos mostra um mosaico de imagens dos 2 radares doppler em Portugal, com informação gráfica da intensidade da precipitação actual. Aqui não vão ver nuvens mas apenas manchas coloridas que correspondem à chuva que está a cair nessa zona. As cores podem ser descodificadas na legenda. De verde para cima é sinal de desgraça. Podem carregar a animação toda que reporta às ultimas 24h com imagens de 10 em 10 minutos, mas não vale a pena. Basta voltarem meia duzia de imagens atrás para terem uma percepção da direcção e tempo que irá decorrer até a chuva chegar à vossa zona, por exemplo. A ultima imagem é normalmente de há 15-20 minutos atrás. Dependendo da velocidade a que a chuva se estiver a aproximar ou a afastar terão uma ideia do que vai acontecer nas próximas horas. 

E pronto com estas armas estão em condições se saírem para o vosso treino com uma excelente noção do que vos espera. Bons treinos e deixem o sofá e as pantufas para o regresso.




sábado, 10 de novembro de 2012

180 bpm - Dá-lhe gás!



No excelente livro que estou a ler (esperem para breve um artigo) o Scott Jurek dá a dica de correr a 180 bpm. Já tinha visto esta sugestão mas nunca tinha perseguido o tema. Acho que é consensual que este ritmo é muito eficiente. Permite uma rápida progressão minimizando o esforço. Dizem...

O que são 180 bpm (beats per minute) a correr? São 180 passos por minutos. Não é complicado medir. Em 20 segundos o pé direito tem de bater 30 vezes no chão. Ou seja em 20 segundos demos 60 passos. Em 60 segundos, 180.

Muito mais simples do que estarmos a contar é pesquisarmos na net musicas a 180 bmp. Quando começarem a procurar verão que há milhares de sites com musicas com temporização. Desde musicas do serrote, até sites que categorizam as musicas mais tradicionais por tempo. Para simplificar deixo-vos o endereço de um site onde podem descarregar mixes completas para o vosso leitor de mp3. O site www.podrunner.com tem mixes de 1h a vários ritmos e principalmente o que nos interessa 180 bpm.

Se repararem bem aqui neste blog desde o princípio que está na barra do lado direito mais lá para baixo (bem lá mais para baixo) um leitor,  MP3 para Treinar. Podem ouvir as mixes que estão ali para terem uma noção do tipo de musica que o site tem. Aqui neste pequeno leitor está uma das mixes a 180 bpm para testarem. Após a introdução têm quase 1 hora de musica para bombarem. A seguir explico onde podem descarregar o mp3.


Não sou grande fã de musica de serrote mas para correr até faz algum sentido. Se gostarem basta visitarem esta página escolherem "Archive previous mixes" e mesmo no final estão vários mp3 de 179, 180 bpm que podem ouvir e descarregar para o vosso PC.

Se não gostam deste tipo de musica encarem a coisa como uma ferramenta. Um treino a 180 bpm não é para irem ouvir a treta do costume e o fadinho e a musica do pôr do sol. Estão ali para dar no duro e sempre é melhor alguma harmonia a marcar-vos o ritmo do que um metrónomo a fazer tique taque na cabeça. Se já experimentaram e mesmo assim não conseguem, para além de queixinhas podem sempre procurar listas na net como esta ou esta e existem vários produtos que analisam a vossa biblioteca de musica  e classificam a cadência de cada uma. A cadenceapp.com é interessante. Na versão desktop analisa o vosso itunes e actualiza a metadata das musicas com os bmps de cada uma. Depois é só filtrarem a biblioteca por bpms e irem treinar. Claro que vão ter de comprar a app. Deve haver muitas outras soluções mas deixo para vocês descobrirem. Se encontrarem alguma coisa digam nos comentários. Partilhar informação é fundamental. Foi isso que vos trouxe aqui não foi?

Não há muita musica "tradicional" a 180 bpm por isso podem sempre usar musicas a 90bpm e duplicar a passada.

Resta-vos pegar no vosso leitor de mp3 e experimentarem. A velocidade vai depender do tamanho da passada que derem. Podem dar passinhos pequenos e irem devagar ou alargar o passo para começarem a atingir uma grande velocidade. Claro que a vossa forma trata do resto. Não há milagres, correr assim também cansa. Simplesmente é mais eficaz, o que nas longas distâncias pode fazer alguma diferença. 

Experimentem alargar a passada e olhem para o ritmo a que vão. Que tal? Se acharem o desafio fraquinho inclinem o corpo para a frente, aterrem na ponta ou no meio dos pés e levantem bem os calcanhares atrás para impulsionarem a vossa passada. Tornem a olhar para o ritmo no GPS. Dá para acreditar? Claro que o fôlego vai chamar-vos à terra em breve mas deu para sentir o gostinho? É só continuar e a pouco e pouco aumentar a vossa velocidade. 

Atenção aos exageros. Todas as alterações que fazem à vossa postura, ao vosso ritmo e forma habitual de treinar têm de ser introduzidas a pouco e pouco.

Bom, já vos dei a cana de pesca, e agora se quiserem atirem-se ao mar e digam que vos empurrarem!

Bons treinos. Cuidado com as multas de excesso de velocidade!