sábado, 13 de fevereiro de 2021

Está a chegar...

 


Há um artigo no meu blog que ficou esquecido no tempo. Foi há mais de 3 anos. Como o tempo passa. 

Lembram-se?

Estávamos no longínquo ano de 2017, quando uma ideia me começou a germinar no cocuruto. Na altura escrevi um artigo/compromisso sobre o assunto que podem ler ou reler aqui:

O runbook para mudar de vida


O que aconteceu? Perguntam vocês legitimamente. 

A realidade é que o livro foi parcialmente escrito, contactei várias editoras, expus a ideia, lidei com a rejeição (aliás desprezo mesmo, dado que não se obtém qualquer resposta) e guardei a frustração na gaveta. 

É lidar mesmo. Se não és uma vedeta polémica ou espampanante, um escritor estabelecido ou com veia literária, não vais vender nada de  jeito, e portanto o mercado está-se a cagar para o que tens a dizer. É a vida. O nosso mercado é demasiado pequeno. Se já tão pouca gente compra livros, quanto mais livros palermas, escritos por gajos anónimos, e também, verdade seja dita, sem grande jeito para a escrita.
Há que aceitar.

Sobrava um caminho: uma edição vanity. Basicamente, uma edição vanity é quando o autor paga todos os custos de edição de um livro que, terá necessariamente uma edição limitada a algumas centenas de exemplares.  Assim todos ficam felizes: o autor publica e larga o guito (alguns milhares de euros, consoante o numero de exemplares), a editora empocha algum sem grande trabalho e com risco nulo e, o autor tira umas fotos com uma pilha de livros. Alguns exemplares são enviados para algumas livrarias, para tentar escoar o escolho e serão devolvidos se não forem vendidos. 

Claro que pode tudo correr bem... ou não. E sem o Sócrates e o amigo para me escoarem o inventário, arriscava-me a ficar com mais uns caixotes na garagem. Epá, podias usar para acendalhas, dirão uns. É verdade, mas seriam acendalhas caríssimas e pouco ecológicas. Prefiro aparas das serrações, compactadas. 

Até que, há uns tempos, voltei à carga. Desta vez, em vez de contactar seja quem for, arregacei as mangas e vesti o fato de macaco. Vou-me armar em editor de mim próprio, fazer todo o trabalho de sapa, e disponibilizar o meu livro, quer em formato pdf e epub, para os leitores de ebooks, quer em formato físico, em Print On Demand, para quem gosta de papel e de uma obra física.

O Print On Demand é uma espécie de impressora fabulosa que recebe um pedido e após uns minutos regurgita um livro completo, enfia num envelope e manda para vossa casa. É uma nova era da publicação. Os autores não têm de pré-imprimir centenas de cópias, pagar a intermediários e despender uma grande soma de dinheiro para publicarem o seu livro. É possível ir à Amazon, por exemplo, e encomendar 1 livro. O vosso pedido chega à tal impressora e ao fim de uns dias está em vossa casa. Este é o meu objetivo. Quem tiver um leitor de e-books pode optar pela versão digital, um pouco mais em conta e instantânea, mas sem a magia de um objeto físico que se pode folhear.

Claro que, não é assim tão simples. O trabalho do editor, que me ignorou, terá de ser feito por mim. Preocupações como tamanho do livro, das fontes, que fontes, espaçamentos, margens, capa, revisão do texto, etc. terá de ser feito por mim, que nada percebo do assunto. 

Mas OK, são só mais uns passos adicionais, Acho que o conteúdo será sempre a parte mais difícil. Mas se fosse fácil, qual era o interesse ?

Portanto já sabem. Daqui a uns tempos poderão adquirir um livro fantástico. 

Fiquem atentos!



6 comentários:

  1. Já sabes que podes sempre contar comigo para fazer nem que seja uma revisão final, é sempre um pesadelo apanhar todos os erros ortográficos e pontuação fora do sítio numa primeira edição.

    ResponderEliminar
  2. Vai-te a ele como se uma ultra fosse.
    Eu compro um mas em papel.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um bocado como uma ultra sim. Primeiro que se veja o fundo ao tacho... mas desta vez a coisa vai lá, porque não dependo de terceiros.
      Obrigado pelo incentivo. Nunca é demais o vosso feedback e apoio.

      Eliminar
  3. Embora esteja um pouco parado, depois quero uma nova conversa sobre o livro no meu canal Paulo!

    Boa sorte e um abraço!

    ResponderEliminar