terça-feira, 28 de dezembro de 2010

23 de Dezembro - 1ª S. Silvestre Pirata



No dia 15 de Dezembro às 12h09m, no forum do mundo da corrida, mais concretamente com este post do Jorge Branco, nasceu a 1ª S. Silvestre Pirata. Claro que na altura, fosse o que fosse que estivesse a fazer, para além de estar a escrever o post, estivesse onde estivesse, ele não fazia a mínima ideia que 8 dias depois mais de 80 saudáveis malucos se iam encontrar às 10 da noite, numa noite gelada , em Mosanto, para esta primeira edição. Se virem a sequência do tópico verão que logo respondem à chamada um grupo de companheiros que posteriormente irão transformar a ideia numa coisa fantástica.

Eu acompanhei o nascimento da ideia no forum, mas só por sorte, ao fim de alguns dias, voltei ao forum e vi que a criança já estava enorme. Dia 20 já havia 40 inscritos e a coisa tinha passado de uma vontade a uma prova pirata com tudo o que as provas grandes têm direito. Para ser sincero, muito mais do que muitas provas grandes. Houve aqui muito mais coisas. Cada um contribuindo com tudo o que podia, juntou-se à ideia as infra-estruturas do parque de campismo de Monsanto. Para deixar os carros, tomar um banho e fazer uma ceia de natal onde juntaríamos o que cada um levasse. Que maravilha. Eu que ia entrar de férias nesse dia. Foi um óptimo presente de natal antecipado.

Mas comecemos do princípio. Já sabemos como é quando vamos de férias. Tudo estava à espera desse dia para acontecer. Por isso já nem estranhei que furássemos todos os planos e só conseguíssemos chegar a casa ás 19h. Enquanto a Dora e a Mónica foram fazer os folhados (que melhor ideia do que fazer folhados, em cima da hora, para levar?) eu fui arrebanhar as ultimas tralhas, passar o trilho para o Garmin, etc. 

Às 21h lá parti em direcção a Monsanto. Não queria chegar em cima da hora. Felizmente chegar ao parque de campismo aquela hora é tarefa simples. Já meia duzia de malucos por lá estavam. Por ali ficámos na conversa enquanto iam chegando, cada vez mais. Conheci o Alexandre Duarte, o Parro, revi o Carlos e outros com quem fui falando enquanto esperávamos pela hora da partida. Que me perdoem mas eu primeiro que consiga fixar nomes e associá-los aos legítimos proprietários sou uma desgraça. Portanto penitencio-me já aqui por não referir os nomes de muitas pessoas que conheci e com quem estive à conversa. A ver se na próxima os dorsais são personalizados para ajudar a colar os nomes às caras.

Eram já mais que muitos. Eu estava enregelado. Estava mesmo muito frio. Não fui preparado para estar à conversa cá fora e mesmo com o casaco do fato de treino o frio ia pousando. Sabia que quando começasse a correr esse seria o menor dos problemas. Mas ainda faltava um pouco. O Parro não parava, dorsal para aqui, dorsal para ali, listas, não está na lista, está aqui. 



Às tantas já estava o grupo todo em poses, fotos e mais fotos. A Analice de pistola na mão a ver se dava o tiro. E PUM! Lá se foram os malucos. A desorganização era total, como é lógico. Eu que conheço mal Monsanto, ainda por cima à noite....., aviei-me em terra e levava o trilho no meu 405. A coisa ia a bater certinha até que surge a primeira incongruência. Um grupo mais à frente seguiu em frente enquanto o meu grupo queria virar à esquerda. O Garmin dizia em frente. Que fazer? Bom, ganham estes que estão aqui ao pé de mim. Mas vocês sabem o caminho? Sim, sim é por aqui. Mas o Garmin... bom ok que se lixe. Umas centenas de metros adiante todos se reúnem. Esta falha foi pequena. Mas era um sinal do que se iria passar ao longo da prova. Havia um circuito pirata/oficial e havia uma série de gente que conhecia Monsanto. Mas não estavam obviamente todos sintonizados com o circuito oficial. Então era normal em vários sectores do circuito o pessoal mais à frente já tinha optado por outro traçado. Eu ainda tentava dizer que não era por ali... mas já lá iam 20 ou 30 gajos... ahhhh, que se lixe :)

Nos cruzamentos reencontrávamos todos. Uns vinham de cima, outros da direita e todos retomavam  o caminho certo numa grande galhofa. Havia pessoal mais preocupado com o andamento muito forte, outros preconizavam que ia ficar pessoal perdido na serra. Mas felizmente e embora quase ninguem tenha feito o percurso original ou sequer o mesmo percurso, ninguem se perdeu. Eu pensava que havia mais gente com o trilho no Garmin, mas de facto não havia. Apercebi-me disso por companheiros que vieram comigo e que embora usassem Garmins essa coisa de carregar os trilhos para o relógio e segui-los... já tem que se lhe diga. Deixo aqui a minha humilde sugestão pirata para a próxima. Dividir o pessoal com o trilho nos relógios ao longo do pelotão para evitar problemas. E que vá lá na frente um tipo que tenha o percurso. Porque de noite no meio do mato, se o tipo da frente decidiu mal já vai ser complicado mudar o percurso aos outros que lá vêm. Quanto à corrida em si, foi muito interessante correr à noite. Costumo correr à noite  mas nunca o tinha feito em sítios sem qualquer iluminação, nem nunca tinha usado um frontal para correr. Gostei imenso da experiência. A luz branca dos leds é de facto um pouco traiçoeira pois é algo forte e dificulta a percepção de pequenos desníveis reduzindo as sombras naturais que nos ajudariam a formar essa imagem, ou então é a temperatura da côr dos leds que o dificulta, mas nada que não se resolva. Claro que se se investir num frontal melhor haverá com certeza opções com leds ambar um pouco mais quentes que resolvem ou minimizam essa questão. Outro aspecto a ter em conta é que os declives no escuro não são fáceis de avaliar. Nem a subir nem a descer. Falta-nos informação visual do horizonte para medirmos com mais rigor o que lá vem. Ok sabemos que é a subir mas não é trivial escolher o melhor ritmo para a subida porque não se vê o suficiente para saber a real inclinação e quanto vai durar. Pormenores que só tornam a actividade mais interessante.
Para além de (tentar) seguir o percurso original também o registei o que fizemos e coloquei os dois online para comparação.


Vejam neste link a comparação do percurso original (a verde) com a nossa invenção (a vermelho). Fizemos menos 1Km que o traçado original... bahhh who cares! 
No site podem clicar no botão de play (e acelerarem um pouco a acção) para verem o desenrolar da coisa.
Eu bem dei por ela, uma altura que ia sempre a sarnar o meu companheiro a dizer que não íamos bem, que devíamos estar mais para dentro (iamos à beira da estrada). Era esse trilho que nos ia levar mais abaixo em Monsanto (Norte no mapa) que nos baldámos. Às tantas quando apanhámos o trilho certo já era o de volta ao parque e assim fizemos. 
Enquanto isso, numa sala que a Direcção do parque emprestou aos piratas havia quem se ocupasse com outros afazeres....



De volta ao parque foi altura de um banho bem quente de onde não apetecia sair. E de seguida a tão aguardada ceia. E foi nestas pequenas coisas que foi feita toda a diferença. Que convívio fantástico que nos foi proporcionado. Eu abanquei ali perto do queijimho e da chouriça do companheiro Martins e pouco mais fazia falta. Os folhados da Dora e da Mónica desapareciam a bom ritmo. Foi uma boa idéia tá visto. O panelão de caldo verde, o chá quente (preferi o tinto) e mais uma série de mordomias que os piratas da organização (ou não, sei lá) se deram ao trabalho de arranjar. Muito muito bom!!! Obrigado a todos , foi um convívio fantástico. Conheci e revi muita gente que vai a Sevilha e já dentro de umas semanas aos Trilhos dos Abutres onde faço questão de ir (já que em 2011 não posso ir a Amourol).



Felizmente no dia seguinte não havia trabalho porque eram quase 2 da manhã quando cheguei a casa. Barriguinha cheia de corrida, comida e convívio. 

Podem ver as fotos que tirei neste link. Mas para verem fotos de jeito aconselho-vos antes este link ou este ou estas também muito boas. 

Dedico esta entrada no logbook a todos os que tornaram possível esta prova e embora todos tenham contribuído, no mínimo com a sua presença, outros houve que entregaram a alma e o coração à causa. Vocês sabem quem são! Obrigado e até já.

5 comentários:

  1. Muito interessante! Parabéns pela iniciativa. A ver se fico atento à próxima.

    ResponderEliminar
  2. Espectáculo, como não poderia deixar de ser :)
    Que pena não ter mesmo podido participar.. Parabéns Paulo, por mais esta excelente reportagem :)

    ResponderEliminar
  3. Parabéns Paulo!
    Uma grande festa!
    Votos de um bom ano para toda a “pirataria”
    Luís Mota

    ResponderEliminar
  4. Excelente crónica/comentário que me merece alguns esclarecimentos:

    Pelas descrições dá para perceber que fui eu que acompanhei o Paulo em grande parte do percurso;

    Também tenho um 405 mas pouco mais sei que carregar no botão on/of, e no fim passar para o computador;

    Eu conheço bem a serra, e tinha dado “uma vista de olhos” pelo traçado, mas fiquei com a ideia que era a volta ao contrário, daí a minha responsabilidade pelo 1º erro ao dizer para virar à esquerda. Depois, com as voltas trocadas fiquei baralhado e, até porque sabia ir acompanhado com alguém que tinha o percurso no Garmin, limitei-me seguir o pelotão…;

    Felizmente a coisa saiu bem e até foi bastante engraçado termos passado algumas vezes pela Célia, por exemplo. Mas podia ter algo corrido mal… Também estou de acordo que se devia dividir o pelotão em três com um “marcador” que tivesse, ou bastante conhecimento do percurso ou, o tal track que os guie a bom porto…;

    No segundo erro, o mais importante e que alterou mais a rota do percurso original, recordo-me do Paulo dizer que o trilho era mais para o interior, e eu dizer-lhe que de facto há um trilho um pouco mais acima. Mas não é fácil alterar a rota do pelotão quando se vai a meio do mesmo e mais de metade já optaram por outro rumo…;

    O pior, se é que não foi melhor (e mais engraçado) assim, foi lá na tal Vila Guiné, o Paulo voltar a dizer é para a esquerda (que já não era, e muito menos para a direita. A opção certa era voltar para trás para fazermos o tal troço verde junto ao campo de tiro, que não fizemos) e o pelotão rumar para a direita a ponto de andarmos a 600 metros do trilho certo e voltarmos a passar na Vila Guiné, isso é que foi rir…;

    Quanto ao trabalho que eu fiz, juntamente com a minha mulher mais a minha filha, devo dizer que quando as coisa saem bem e todo o mundo fica satisfeito, e com isso demos algum contributo para o resultado final, o nosso prazer foi a dobrar…;

    Infelizmente no dia seguinte era dia de trabalho para mim, e como fui o último a sair do parque (2h20) só dormi umas míseras 4 horas, mas este contratempo não foi suficiente para me retirar todo o prazer que tinha sentido…;

    Um grande abraço e um Bom Ano Novo!

    Orlando Duarte

    Ps: Parabéns pelo Blogue (só peca pela primeira palavra do nome), estou a gostar muito de o seguir.

    ResponderEliminar
  5. Caro Orlando nunca imaginei que era você :) Foi um prazer conhecê-lo pessoalmente já que no forum por muitas vezes já nos cruzámos. Obrigado pelos esclarecimentos. Engraçado encontrarmo-nos assim. Da próxima já sei.
    Eu é que conheço poucas pessoas porque ainda ando nesta vida há pouco tempo.

    Aproveito para agradecer o seu (enorme) contributo na pirataria. Não tinha sido a mesma coisa sem essa parte.
    Quanto aos enganos, falhas etc, como viu no local, qualquer que fosse o circuito, o numero de enganos ou fosse o que fosse, tinha-me dado o mesmo prazer. Talvez se tivéssemos feito mais uns kms e mais uns enganos fosse um pouco melhor :) Mas é verdade que na próxima é melhor ter-se um pouco mais de cuidado porque nem sempre as coisas correm bem.

    Quanto ao nome do blog, é um trocadilho que mistura a corrida e um termo técnico da minha área de trabalho.

    Abraço e bom 2011

    ResponderEliminar