terça-feira, 5 de novembro de 2019

Petzl Swift RL - 900 lumen! Simplesmente potente

A nova aposta da Petzl promete o melhor de 2 mundos. Potencia e simplicidade num formato leve e relativamente compacto. Será que a Petzl consegue a proeza?
Não tenho nada contra os frontais da treta, vulgo do chinês, custam 10€ no chinês e têm 10.000 lumen, durante 10 minutos. Apenas prefiro material confiável, de qualidade, com muita engenharia e  R&D por trás. Muitas vezes a simplicidade aparente esconde muitos anos de pesquisa e desenvolvimento, que os nossos amigos de olhos em bico tentam copiar, grande parte das vezes apenas na forma e quase nunca na performance. 

Claro que se precisas de um frontal para ir ao trilho noturno da osga, pouca diferença faz a origem do pirilampo que levas na testa. Com sorte tudo vai correr bem, a coisa até funciona e no final és o maior do teu prédio, pois só gastaste 3€ no AliExpress por uma cópia mal amanhada, que tiveste alguma dificuldade em escolher pois havia 176 chineses no site a vender 78 variações do mesmo produto, quase todas iguais. Na duvida compraste o de 3€ que era o mais barato e assim se correr mal não te sentes tão mal contigo próprio (e se correr bem és mesmo o rei do prédio, quiçá do bairro)

Mas este artigo é mais para o pessoal que investe a sério em provas e não hipoteca a sua participação com material do Vidoso, o gajo que algumas vezes nos deixa agarrados. 

Há inúmeras marcas excelentes de frontais, mas eu, ao longo destes anos, por ter optado por algumas delas, apenas conheço duas. São marcas que depois de se usarem não nos deixam indiferentes. Primeiro comecei pela Led Lenser. Excelente. Simples, sem muita tecnologia extra. Pura potencia e chega. O H7R.2 (300 lumen) foi e continua a ser um fiel companheiro. A caixa da bateria/pilhas um bocado desajeitada ali no cucoruto, mas nada que não se suporte.

Depois nas provas que te exigem 2 frontais conheci a Petzl. Começou por ser uma segunda escolha, o Petzl Tikka RXP. 215 lumen, preço médio, mas altamente eficiente e até configurável por software através de uma aplicação no PC e ligação USB. Podiam criar-se perfis onde era possível escolher a duração máxima em detrimento da potência total. Claro que a tecnologia Reactive fazia toda a diferença. O frontal ajusta continuamente a potencia máxima necessária face à luz ambiente e à distância para onde estamos a olhar. Se estamos a olhar para o chão não é preciso tanta luz, se levantamos a cabeça e olhamos para longe ele vai ao máximo que configurámos no perfil.

A verdade é que esta tecnologia é tão boa que facilmente o frontal me durava 10-12h, ou seja fazia quase 2 noites, nas provas em que necessitava. E muitas vezes trocava-o numa altura conveniente e não porque estivesse a fraquejar. Assim o fraquinho Petzl Tikka RXP passou a ser a primeira opção com o Led Lenser a fazer de backup. 

A Led Lenser não é cá destas mariquices. Escolhes um nível de iluminação e pronto, vai tudo a eito. 

A Petzl está sempre a inventar. Nestes poucos anos em que a Led Lenser apenas lançou o H8R (uma evolução ainda assim assinalável com o dobro da potencia do H7, 600 lumen) sem grande inovação, a Petzl lançou o Reactik e o Reactik + (este com bluetooth e uma App que fazia o mesmo que a App do PC no Tikka RXP). Isto apenas na gama Tikka ou equivalente. Porque a Petzl tem a famosa (e cara) gama Nao, mas eu não corro o suficiente para merecer um Nao, sendo que há outras opções um pouco mais em conta e quase (quase...) equivalentes.

Mas a idade não perdoa e a escuridão da noite é impiedosa, por isso já há uns tempos que sentia necessidade de um upgrade noturno nos lumens dos meus frontais. 

Ao visitar o site da Petzl em busca de alguma novidade a preço razoável percebo que em 3 anos as 2 gerações seguintes ao meu já foram descontinuadas. Uooouuu! Já paravam quietos, não?

Claro que o Reactik + com bluetooth e 300 lumens ainda se encontra à venda. Mas 300 lumen já eu tenho no Led Lenser e bluetO ooth, ok é giro mas... e mais potência? Isso é que era, não?

Parece que os homens me ouviram e a ultima novidade desta gama é o Swift RL com 900 lumen. 900? Eh lá!!! Isto interessa. E será caro? Nem por isso. A tecnologia tem destas coisas, evolui e mantém o preço na mesma gama. Por isso consegui encontrar um por menos de 80€, irresistível. Vou voltar a ver como um puto de 20 anos! Por isso passemos ao que interessa. O que vale este Swift RL?



Formato



Face ao RXP o Swift é um pouco mais compacto. Pode parecer pouco mas faz a diferença.


Menos 10 gramas para o Swift pode parece pouco mas sempre são 10%, o que, visto assim, até acaba por ser significativo.




A bateria do Swift também é um pouco mais compacta e sem protuberâncias, mas sobretudo consegue em menos espaço ter 2150 mA em vez dos 1800 mA do RXP. Mais 20% de capacidade em menos volume é uma boa evolução.

Onde o Swift arrasa é na potencia luminosa. Mais de 4 vezes mais potente que o RXP é abismal. 900 lumen faz da noite dia à nossa frente. E tudo isto num corpo mais pequeno com uma bateria mais pequena. É de facto uma grande evolução.

Autonomia

A autonomia é sempre um factor crítico a ter em conta. Há que planear bem face aos períodos noturnos que vamos passar. Há provas só de uma noite, provas com 2 noites ou perto disso. Temos de saber com o que podemos contar, a necessidade de recarregar ou de levar 2 frontais, ou 2 baterias. 

A tabela abaixo não dá para fazer comparações diretas. Até porque o RXP é configurável por software e podemos escolher uma duração limitando a potencia de iluminação máxima. Mas ainda assim é possível ter uma ideia olhando para a iluminação constante (ou standard no Swift). Aqui comporta-se como um frontal standard e para a mesma autonomia temos o dobro da potência.

Para a tecnologia Reactive as coisas são mais complicadas porque dependem da utilização que fizerem, do tempo que passam a olhar para o chão ou para perto, face ao tempo que levantam a cabeça para olhar para longe. Só a utilização ao fim de algumas provas poderá dizer como se comporta. Mas dada a minha experiência com o RXP diria que espero o mesmo tipo de duração com o dobro da potencia. Ou seja cerca de 10-12h mas desta vez com 900 lumen como máximo disponível. A minha ideia será levar o frontal maioritariamente nos 300 lumen e nas zonas mais técnicas ir nos 900 lumen. Quiçá até fará 2 noite... A ver vamos.

TIKKA RXP
Lighting technologyLighting modesBrightnessDistanceBurn timeReserve mode
REACTIVE LIGHTING
Max autonomy7 to 80 lm2 to 70 m10 h
1 h at 25 lm
Standard7 to 160 lm2 to 90 m5 h
Max power7 to 215 lm2 to 110 m2 h 30
CONSTANT LIGHTING
proximity45 lm for 10 h25 m for 10 h10 h
movement100 lm for 5 h75 m for 5 h5 h
rapid movement150 lm for 2 h 30100 m for 2 h 302 h 30
SWIFT RL
Lighting technologyLighting levelsBrightnessDistanceBurn timeReserve
REACTIVE LIGHTING
MAX BURN TIME100 lm35 m10 to 50 h10 lm for 2 h
STANDARD300 lm55 m5 to 40 h
15 lm for 2 h
MAX POWER900 lm150 m2 to 30 h
STANDARD LIGHTING
MAX BURN TIME10 lm12 m100 h10 lm for 2 h
STANDARD200 lm55 m5 h
15 lm for 2 h
MAX POWER550 lm110 m2 h

Utilização

A Petzl optou pela simplicidade. Estão disponíveis 2 modos. O Reactive (por defeito), com 3 níveis e o Standard (em que a luz está sempre com a mesma intensidade) também com 3 níveis. Parece-me simples e prático. E sendo possível fazer dia da noite, se a autonomia for razoável, é mais do que suficiente.


Uma característica muito interessante é a escala de leds que mostra o nível de carga. 5 leds em que cada um representa 20% de carga é excelente e promete ser rigorosa, dando-nos uma simples e clara noção da carga disponível na bateria.

Por fim algo a ter em conta são as 6 horas de carregamento necessárias. É preciso contar com elas para não sermos apanhados desprevenidos. Para além de que não é um power bank da treta que carrega esta "pequena" bateria. São 2150 mA. Diria que devem contar com um de 3000 ou 4000 se o pretendem carregar durante uma prova ou passeio. Até porque há outras coisas para carregar, provavelmente o relógio, etc.

Conclusão

Tudo somado estamos perante um grande frontal da Petzl, pequeno, potente, com bastante autonomia, um preço excelente tendo estes fatores em conta. Talvez o melhor frontal da atualidade nesta gama de preço. Só falta testar em utilização real para perceber o que esperar porque esta tecnologia Reactive não é possível testar em ambiente controlado, só mesmo na realidade. Mas a Petzl não brinca em serviço por isso só espero ser surpreendido pela positiva. Se procuram um bom frontal ou renovar o velhote que costumam usar, não hesitem se o virem por um bom preço (na casa dos 80 paus)


4 comentários:

  1. Tenho o descontinuado, percebi ao ler agora, Reactik +.

    Só tenho a falar bem.

    A melhorar apenas os lúmens, claro, nunca são demais e a possibilidade de retirar por completo a fita de suporte para lavar.

    Tem Bluetooth que nunca usei em andamento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A vantagem do bluetooth é poder rapidamente antes de uma prova alterar a configuração. Várias vezes dei por mim a pensar se teria o perfil certo carregado, mas sem um portátil com a aplicação instalada era impossível... Nesse sentido a APP parece-me muito mais útil.

      Eliminar
  2. Tenho um Ledlenser H8R que gosto bastante. Potente e como dizes, funcionam sem grandes mariquices, é escolher uma potência e correr. A grande vantagem que tem este modelo da Ledlenser é que em vez de usar baterias proprietárias, utiliza as atualmente comuns baterias 18650. Estas baterias são usadas em vários equipamentos, por exemplo nas lanternas de mão e segundo consta até fazem parte dos componentes de alguns carros elétricos, pelo que facilmente se consegue comprar uma bateria de substituição sem comprometer a duração do frontal (pelo menos dos testes comparativos que fiz até ao momento).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi uma boa aposta da Led Lenser. O 7 tinha (tem) uma bateria estranha que não se encontra à venda na loja do chinês mas pode-se sempre optar por usar pilhas AAA. Mas como as provas grandes obrigam a levar 2 frontais, nunca precisei de trocar. É sempre mais fácil usar o 2º na segunda noite.

      Eliminar