sexta-feira, 21 de agosto de 2020

Fastpacking - A arte de viajar ligeiro

Trail Camp UTMB - 2015

O Fastpacking está em crescimento, mas antes de mais, o que é o fastpacking?

Fastpacking deriva de backpacking, sendo que o backpacking é bem mais conhecido de todos. O backpacking consiste em viajar com tudo às costas, numa mochila (backpack). Podia-se traduzir por mochilar, vá. Daí os famosos mochileiros. 

Haute Route - 2016
A diferença entre levar-se uma mala de cabine e uma mochila para viajar, é que a mochila permite total autonomia, permite caminhadas, permite desfrutar da natureza dos locais para onde vamos. Uma mala de cabine pressupõe um hotel ou similar, rapidamente à disposição. Ninguém quer andar a arrastar uma mala de cabine ou de porão muito tempo, quanto mais meter-se num trilho ou simplesmente visitar uma cidade, por exemplo. 

Trail Camp UTMB - 2015
O Fastpacking é uma mistura entre mochilar e o trail running. A mochila está lá, o trilho também, a corrida também. A subtileza é que o Fastpacking exige um equilíbrio e concessão na quantidade de coisas que transportamos na mochila. Isto para nos permitir, por um lado autonomia, mas por outro lado correr, ou sermos rápidos. Daí o Fast Packing.  

A língua inglesa é simples e fantástica para compor novas palavras juntando vocábulos. Em português a coisa não funciona tão bem. Se traduzimos backpacking por mochilar o que vamos inventar para fastpacking ? Rapidar ? Rapimochilar ? Mochilar rápido? Epa desisto. Fastpacking está perfeito. Além disso a informação sobre o tema na net encontra-se com fastpacking, por isso fastpacking será, até que alguém invente uma palavra tão eficaz em português.

Via Algarviana - 2017
Qual é a vantagem do fastpacking sobre o backpacking? Apenas a velocidade a que se viaja e a capacidade que temos de cobrir distâncias maiores em menos tempo. 

É óbvio que não se é assim tão mais rápido, mas diria que conseguimos gastar entre 1/3 e metade do tempo que demorávamos se fossemos num ritmo de mochileiro. 

Cobrir 30 a 40 Km de distância por dia será um bom objectivo, dependendo da dificuldade do terreno e desnível positivo e negativo que há para fazer. 

À medida que leio cada vez mais sobre fastpacking descubro que já faço aventuras de fastpacking há vários anos (clica nos links para leres as aventuras):

- Trail camp UTMB 2015
- Haute Route 2016
- Rif 2017
- Via Algarviana 2017
- Picos da Europa 2018
- Subida ao Toubkal 2019
- Rota Vicentina 2020
- Via Valais 2020

Umas mais radicais que outras, mas todas igualmente fabulosas e das quais guardo experiências, memórias e vivências únicas, irrepetíveis e inesquecíveis. 

Via Algarviana - 2017
Não há bem uma regra para o fastpacking. Se bem que a ideia pressuponha uma autonomia total, na prática todas as adaptações são possíveis. A ideia é viajar leve e incluir a corrida para conseguir percorrer maiores distâncias diariamente. 

Também deve ser uma aventura multi dias, para a distinguir de uma simples incursão. Se têm autonomia de refeições, ou para pernoitar, já é uma questão particular de cada aventura, mas não é por comerem num restaurante ou dormirem numa casa que deixa de ser fastpacking, se tiverem autonomia e capacidade para correr. Isso significa que levam pouco peso e com tudo o que precisam para passar os dias. 

De todas as aventuras que referi acima, talvez a Via Algarviana fosse a mais radical em termos de fastpacking porque íamos também com autonomia para dormir, ao relento é um facto, mas o tempo algarvio não exigia mais. 

Subida ao Toubkal - 2019
Ultimamente tenho lido bastante sobre fastpacking com o objetivo de preparar novas aventuras com total autonomia. Não tenho nada contra dormir em bons aposentos, mas a logística, os preços e a necessidade de proceder a reservas com muita antecedência em períodos mais concorridos, são aspetos que chateiam e tiram a piada à coisa. Por isso não renego ficar bem alojado se se proporcionar, até porque o país é pequeno e, pelo menos por cá, não temos grandes distâncias sem encontrar um local para pernoitar entre 4 paredes. Mas termos capacidade de autonomia com uma tenda, um colchão e um saco cama, é outro nível. Ficar em plena natureza é fantástico. 

Picos da Europa - 2018

A dificuldade reside em conseguirmos ter esta capacidade e ainda assim um peso que permita correr qualquer coisa, mais que não seja a descer. Para isso ser possível há que recorrer a material ultra leve. Uma tenda de 1 Kg, um saco cama de 600 gr, um colchão de 600 gr. Como o material ultra leve é também ultra caro, é preciso pesquisar e encontrar as opções que não são assim tão caras, mas sem comprometer a qualidade. Rapar frio dentro de uma tenda em que entre água não é das melhores experiências seguramente.

Rota Vicentina - 2020
Mas sobretudo sermos frugais no que levamos. 1 par de sapatilhas nos pés, 1 muda de roupa na mochila, avaliar cada item que fará parte do peso total. Será mesmo fundamental ? Não cortar no vestuário para o frio, impermeável, camisola quente, calças impermeáveis, luvas, etc. Tendo em conta claro, o local e a previsão meteorológica. Não vale a pena levar calças impermeáveis ou mesmo casaco, para o Algarve em agosto, se a previsão indica uns estáveis 30 graus em média, por exemplo. 

Posso afirmar que já tenho alguma experiência de fastpacking e uma comprovada lista de itens que tenho afinado ao longo das várias aventuras. Na ultima aventura, Via Valais, a mochila tinha pouco mais de 5 Kg. Com vários itens para enfrentar o frio aos 3000 m se tal fosse necessário. 

A minha ideia é escrever alguns artigos sobre fastpacking e ao longo do tempo ir melhorando a minha autonomia de fastpacking nas próximas aventuras. Será um processo gradual em que espero aprender à medida que for adquirindo e testando vário material fazendo algumas saídas mais curtas.

Se gostaste do tema subscreve as atualizações do blog para receberes os próximos artigos no email.
Não deixes de ler também os artigos já disponíveis no blog, sobre este tema, seguindo este link.

Sem comentários:

Publicar um comentário